PREPARAR A AMAMENTAÇÃO DURANTE A GRAVIDEZ

O primeiro passo de todos para nos prepararmos para o processo de amamentar é tomar consciência que é esse o nosso desejo. É querer! Pode parecer evidente mas ao pensarmos profundamente nas nossas motivações abre-se um caminho para a busca de informação e de fundamentação, que faz todo o sentido acontecer ainda antes do bebé nascer.

Tal como a consulta de pediatria pré-natal, que nos prepara para os primeiros dias de vida do nosso filho, também há disponível a consulta de preparação para a amamentação que visa capacitar os pais a estes primeiros tempos de aleitamento materno.

Inteirar-se da nossa anatomia enquanto mulher que amamenta, as bases da fisiologia do leite materno, a produção de leite, as posições do bebé na mama e indo até à identificação de que o bebé efetivamente está a extrair leite; todos estes conhecimentos trazem empoderamento aos pais. E conhecimento é poder!

“E depois de me informar, como preparo o meu corpo para amamentar?”

De entre todas as dúvidas, as grávidas questionam muitas vezes o que fazer ativamente para preparar a mama e o mamilo até ao dia do nascimento.

As nossas mamas são um órgão endócrino, sujeito a alterações diferenciadas ao longo de toda a nossa vida e não é na passagem da adolescência para a idade adulta que termina o seu desenvolvimento. É na gravidez e na amamentação. O ambiente hormonal da gravidez faz concluir esta preparação da mama dando-lhe a função de alimentar o bebé a partir do momento em que nasça. E como sabe este órgão que o bebé nasceu e que deve começar a produzir leite? Sabe porque há saída da placenta durante o parto. A placenta também nasce… E com ela saem uma grande quantidade de hormonas que informam o nosso corpo que a partir de agora pode começar a produzir leite.

Na verdade, a partir das 16 semanas de gravidez já temos produção de colostro (nome do primeiro leite que temos até mais ou menos ao terceiro dia de vida do nosso filho e que é riquíssimo em anticorpos protetores) mas a grande quantidade de leite, que coincide com as necessidades nutricionais do nosso filho, acontece então uns dias depois do parto, precisamente por essa informação hormonal.

Também externamente a mama altera na gravidez. A aréola fica mais escura e os tubérculos de Montgomery (pintinhas/saliências na aréola) ficam mais evidentes. Eles servem para lubrificar a aréola, dando-lhe elasticidade para a pega, e emitem um odor que tem a função de informar o nosso bebé que é ali o alvo para se alimentar. O mamilo fica mais projetado essencialmente quando o bebé começa a estimulá-lo, fazendo sucção.

Por tudo isto, para além de utilizar um sutiã que dê o suporte necessário, mantendo o conforto e sem apertar, não há nada que tenhamos ou devamos fazer na gravidez para preparar a mama para amamentar. O nosso corpo é sábio!

Na amamentação há, claro, uma parte instintiva e intuitiva. Mas há também em grande parte das vezes, momentos desafiantes em que o raciocínio e as aprendizagens prévias se tornam facilitadoras.

Vamos aprender mais sobre amamentação ?

by Lina Lopes, Fisioterapeuta, Conselheira de Amamentação e Consultora Internacional de Lactação

Deixe um Comentário